BioExtratus
BioExtratus
Conheça a técnica wabi-sabi: a beleza das coisas imperfeitas e incompletas

Conheça a técnica wabi-sabi: a beleza das coisas imperfeitas e incompletas

Époka Móveis apresenta a técnica wabi-sabi que fará você ter um olhar diferente sobre seu lar

Valorizar a beleza nas coisas imperfeitas: o conceito de wabi-sabi remonta ao Japão do século XV. Encontra sua base nos ideais do zen-budismo, que tem entre seus preceitos a aceitação da impermanência. A essência do wabi-sabi está persente em várias artes japonesas. Como o ikebana (tipo de arranjo floral japonês), o jardim zen, o bonsai, a cerâmica e a cerimônia do chá.

Filosofia da valorização

Essa filosofia – e também a sua estética – se casa com muita harmonia ao slow living: ao focarmos nossas atenções e atitudes em valores mais reais e significativos, nos conectamos ao wabi-sabi, que cultiva tudo que é autêntico ao reconhecer três realidades simples: nada dura, nada é completo: nada é perfeito.

Ainda sobre o slow living e os conceitos que se relacionam com ele, o Japão e a cultura oriental, em muitos aspectos, são fontes incríveis de inspiração. Podemos notar a essência do wabi-sabi em várias artes japonesas como o Ikebana.

A beleza está nos arranhões

A essência do wabi-sabi é que a beleza real, venha ela de um objeto, da arquitetura ou de uma arte visual, não se revela até que o caminhar do tempo tenha acontecido. Um metal enferrujado, por exemplo, tem uma essência que falta em um material novo e polido. A beleza está nos arranhões, nas áreas desgastadas e nas linhas imperfeitas.

Conheça a técnica wabi-sabi: a beleza das coisas imperfeitas e incompletas

A filosofia do wabi-sabi abrange tanto as coisas naturais, orgânicas, quanto os objetos feitos pelo homem. Da espiritualidade até as questões de comportamento, hábitos de vida e estética. Se um objeto ou expressão consegue trazer em nós um senso de melancolia serena, intimidade e um anseio espiritual, então isso pode ser considerado wabi sabi.

A arte da lentidão

A natureza fundamental do wabi-sabi é sobre o processo, não o produto final; sobre o declínio e o envelhecer, não o crescimento. Esse conceito pede a arte da lentidão, do desacelerar, e uma boa vontade em se concentrar no que é geralmente deixado de lado: as imperfeições e as marcas que registram a passagem do tempo. Um antídoto perfeito para o estilo corporativo de beleza, que é invasivo, raso e escorregadio.

Quando os japoneses reparam objetos quebrados, eles enaltecem a área danificada preenchendo as fissuras com ouro. Eles acreditam que, quando algo sofre um dano e tem uma história, torna-se mais bonito. Essa arte tradicional de reparação da cerâmica quebrada com pó de ouro é conhecida como Kintsugi. O resultado é que as cerâmicas não são apenas reparadas, mas tornam-se ainda mais fortes do que eram originalmente.

Conheça a técnica wabi-sabi: a beleza das coisas imperfeitas e incompletas

A empresária Helen f. Ruiz , juntamente com sua equipe de arquitetas, busca fugir do padrão “casa pasteurizada”. Usando o conceito wabi-sabi  inspira e valoriza a imperfeição das coisas, fazendo com que se entenda que são justamente essas “falhas” que trazem autenticidade aos ambientes .

Sobre o Autor

Rua Joaracy Mariano de Barros, 212 - Solar do Itamaracá - Indaiatuba/SP - CEP.: 13.333-390 - Tel.: (19) 3329-7741 e (19) 9.8328.4111 (What´s App) [email protected]

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat