BioExtratus
BioExtratus
Como NÃO constranger uma pessoa deficiente

Como NÃO constranger uma pessoa deficiente

Coluna Conhecendo as Diferenças por Marina Salla - Cabeçalho

Momentos constrangedores que eu amaria nunca ter passado

Ser deficiente não é nada fácil, mas também sei que não é fácil para as pessoas que convivem comigo – às vezes as pessoas querem ser muito solidárias e acabam me constrangendo, sem querer.

Se você é uma pessoa deficiente, eu tenho certeza que você já passou por algum constrangimento causado por alguém que se importa contigo. Agora, se você conhece um deficiente, é melhor ficar atento para você não causar esses momentos.

Claro que algumas pessoas são mais “de boa” do que outras, algumas não ligam para certas coisas que outras pessoas se importam demais, mas é sempre legal tomar um pouquinho de cuidado com o que vai dizer ou o que vai fazer.

Então vim dividir alguns momentos que eu me senti muito constrangida , afinal não tem forma melhor de exemplificar.

“Eu queria levar vocês para um lugar incrível, mas seria difícil pra ela, então ninguém vai”

Eu estava viajando com um grupo de pessoas quando “o líder” o soltou essa, foi horrível – principalmente porque muita gente nem me conhecia, eles ficaram com um pouco de raiva.

“EI, VOCÊS AÍ NA FRENTE! ANDEM MAIS DEVAGAR, ELA NÃO PODE ANDAR RÁPIDO!”

Tipo assim gritando, no meio do passeio, para meio mundo ouvir.

“Vamos ir para a parte de cima?” Me perguntaram.

“Eba!” Os outros exclamaram.

“Pode ir, eu vou ficar aqui embaixo mesmo” Respondo, super de boa.

“Então ninguém vai”

Sim, de novo. E não tinha o que falar, a pessoa estava convencida, os outros ficaram constrangidos porque acharam que seria falta de respeito ir sem mim, foi horrível.

Também é um pouco constrangedor quando dizem, para exatamente todo mundo, que sou deficiente. Em uma viagem, uma certa pessoa fez a minha doença ser um acontecimento – ou ela sentia muita vergonha de mim e por isso ficava “justificando” tudo o que acontecia com: “ela é deficiente”.

“Ela está andando assim porque é deficiente”

“Estamos nesse fila porque ela é deficiente”

“Estacionei aqui porque ela é deficiente”

Eu sentia que se eu derrubasse um copo de água, ela iria justificar com “ela é deficiente”. Ela sempre dava um jeito de falar isso, mesmo que ninguém tivesse perguntado ou dito coisa alguma.

“Você quer ir na caminhada? Tenho certeza que você consegue, mas é melhor ficar aqui em casa quietinha”

Me disseram isso quando iam passear no Parque Ecológico,;aqui em Indaiatuba, eu queria muito ir junto porque estava visitando pessoas que eu não via faz tempo – mas fiquei em casa, porque senti muita vergonha de ir depois que todo;mundo do ambiente me olhou com pena.

Você pode até achar que fui muito dramática nesse post, você pode achar que essas coisas não são tão constrangedoras assim – mas é mais fácil não dar bola para algo constrangedor;quando você sabe que não é verdade.

Se você é muito boa na cozinha (e sabe disso),;pode ser que você só dê risada se alguém fizer algo constrangedor para tentar te diminuir, mas no meu caso o que as pessoas diziam era verdade.

Então, tente não constranger o seu amiguinho ok?!

Até semana que vem!

~MarinaSalla~

Marina Salla da Coluna Conhecendo as Diferenças por Marina Salla

 

Marina Salla Marchiori, 26, é professora de idiomas, escritora e também portadora da síndrome Charcot Marie Tooth há 10 anos. Seu intuito é levar os desafios das pessoas com deficiência;até aqueles que não são, a fim de despertar maior consciência e altruísmo na sociedade.

Acompanhe a Coluna Conhecendo as Diferenças

Sobre o Autor

Escreva uma minibiografia para constar no seu perfil. Essas informações poderão ser vistas por todos.

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat