BioExtratus
BioExtratus
Festa Junina: o que não pode faltar?

Festa Junina: o que não pode faltar?

Festa Junina, tradição européia se uniu à indígena e originou pratos típicos de dar água na boca

Fogueira, pamonha, quadrilha, paçoca, correio elegante, bolo de milho, música, cocada…

Festa Junina é isso: para cada diversão, um prato pra lá de especial. Por isso, é difícil quem não goste das festividades do meio do ano. Mas, por que tanta comida?

Mais que a gula, as festas juninas têm, sim, um motivo para tanta fartura. A celebração surgiu na Antiga Europa como uma festa pagã, em comemoração à fertilidade da terra e às boas colheitas. Foi na Idade Média, quando se tornou parte do calendário cristão, que a igreja católica a associou aos três santos do mês de junho — Santo Antônio (13), São João (24) e São Pedro (29).

Ao chegar no Brasil, a celebração trazida pelos portugueses durante o período colonial foi logo influenciada pelos indígenas, que também tinham muita colheita para agradecer. Assim, criou-se um cardápio tradicional rico em nutrientes e sabor, com base principalmente nos ingredientes locais — e alguns resquícios europeus.

Com base nessas delícias, o Ateliê Taiyo, especializado em doces e salgados para eventos, preparou uma lista de pratos típicos que não podem faltar na sua comemoração. Prepare-se porque é de dar água na boca!

Milho-verde

Cozido, na versão pamonha, curau ou bolo, o milho verde é um dos protagonistas das festas juninas, já que sua colheita se dá justamente nesse período, garantindo fartura na mesa.

Amendoim

Ao lado do milho, o amendoim é um dos alimentos mais festejados nessa data. Torrado e salgado, é um petisco clássico, assim como nas receitas doces. Pé-de moleque, pé-de-moça (versão cremosa do primeiro), paçoca ou torrado com açúcar, quem resiste?

Mandioca

Graças à influência dos índios, a raiz foi adicionada à comemoração e hoje aparece nas mais diversas receitas, do doce ao salgado. Tapioca recheada e bolo de tapioca (bolo podre) são os mais pedidos!

Coco

A fruta brasileira também ganhou a vez nas festas graças aos indígenas. A versão doce é que faz mais sucesso: bolo, docinhos ou cocada.

Grãos

Mais uma herança indígena, arroz-doce e canjica com canela e amendoim não podem faltar nas festividades.

Maçã

De influência européia com um toque francês, a fruta dá origem à indispensável maçã-do-amor e também enriquece a receita do famoso vinho quente.

Ateliê Taiyô - Buffet - Parceiros Revista DÁvilaAteliê Taiyô
Av. Jácomo Nazário, 1036

Cidade Nova – Indaiatuba/SP
(19) 9.8275-1957 (What´s App)
 taiyoyoriko 
 taiyoyorikonarimatsu

 

Este texto foi produzido e otimizado por Mídia Crawl

Sobre o Autor

Escreva uma minibiografia para constar no seu perfil. Essas informações poderão ser vistas por todos.

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat