BioExtratus
BioExtratus
Coisas que um deficiente adoraria que você soubesse
Crédito da foto para Ben White on Unsplash

Coisas que um deficiente adoraria que você soubesse

Coluna Conhecendo as Diferenças por Marina Salla - Cabeçalho

Caso você ainda não saiba

Bem vindos de volta!

Hoje eu resolvi trazer um pouquinho da esquisitice do dia a dia de um deficiente – esquisitices que só existem porque algumas pessoas colaboram muito pra isso. Estamos falando de coisas que não deveriam acontecer, mas acontecem.

Então aqui estão algumas coisas que um deficiente adoraria que você soubesse!

Desculpa colega, mas você não pode parar numa vaga de deficiente, ligar o pisca alerta e achar que está tudo bem

Se eu, que sou deficiente, não paro em uma vaga especial quando esqueço meu cartão em casa, por que raios certas pessoas se acham no direito de parar numa vaga especial?

A verdade é: o seu “é rapidinho!” vai causar dor em alguém que vai ter que andar mais para chegar naquele lugar.

Curiosidade: nas áreas de zona azul, existem 52 vagas para idosos e somente 19 para deficientes – ou seja, a prefeitura já dificulta muito a nossa vida, não dificulte ainda mais.

Nem todos os deficientes parecem deficientes, então não brigue comigo se eu estiver em uma fila especial

A gente entende que você é prioritário e quer ser atendido mais rápido – só que não é por isso que você vai brigar com alguém que não aparenta ser deficiente,;já perdi as contas de quantas vezes isso acontece comigo (isso porque eu uso uma órtese).

Aí a pessoa te olha daquele jeito frouxo e diz: “ah, é que existem pessoas que não poderiam e usam a fila preferencial mesmo assim”,;“tem gente que finge pra pegar fila preferencial” e toda a desculpinha que, pelo menos comigo, não cola.

Entendam: nem todo deficiente está em uma cadeira de rodas.

Se você não tem intimidade com o deficiente, não pergunte o que ele tem

Pelo menos não de uma forma escrota , como já aconteceu comigo muitas vezes. Uma vez uma garota, que eu nunca tinha visto na vida, chegou e perguntou: “o que houve com a sua perna?” sem nem me dizer oi.

Se quer perguntar, pergunte com jeito –  e já sabendo que a pessoa deficiente não é obrigada a te responder.

Quando precisarmos de ajuda, vamos pedir

É até natural que uma pessoa, que ame um deficiente, seja superprotetora.  Mas é preciso entender que queremos fazer certas coisas sozinhos,;nem que seja levantar do chão ou entrar em uma piscina.

Pequenas conquistas são importantes, então calma, vamos pedir quando precisarmos de ajuda.

Claro que eu não posso falar em nome de todos os deficientes, mas essas são algumas das coisas que eu adoraria que as pessoas soubessem. Essas coisas e também, caso você zoe da minha deficiência, você estará no meu Death Note pra sempre.

Espero que tenham curtido e até terça que vem!

~MarinaSalla~

Marina Salla Coluna Conhecendo as Diferenças - foto perfil

 

Marina Salla Marchiori, 26, é professora de idiomas, escritora e também portadora da síndrome Charcot Marie Tooth há 10 anos. Seu intuito é levar os desafios das pessoas com deficiência;até aqueles que não são, a fim de despertar maior consciência e altruísmo na sociedade.

Sobre o Autor

Escreva uma minibiografia para constar no seu perfil. Essas informações poderão ser vistas por todos.

Veja Também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp chat