HomeColunasRota EducacionalEstudantes: entre o mundo real e virtual

Estudantes: entre o mundo real e virtual

Caso do MAM: O nu, a arte e a pedofilia

Estudantes: entre o mundo real e virtual

Ao observar crianças e adolescentes de hoje, confinados em seus aparelhos tecnológicos, alheios aos acontecimentos da vida real, me preocupo com o que está se passando em suas mentes: que exercícios cerebrais estão realizando? que estímulos estão recebendo? Que áreas cerebrais estão sendo ativadas? Como esses estímulos estão operando em seus cérebros? Que influências as informações recebidas lhes trazem? Que relações estão estabelecendo psíquica e emocionalmente?

São tantos os estímulos  a que eles ficam expostos nos dias de hoje, que podemos dizer que  a  geração multitarefa, oscila sua atenção entre dois mundos: o real e o virtual.

E como o mundo virtual apresenta-se tão mais interessante e convincente, nossos estudantes se veem confusos entre os sentidos e os significados, a sensação física real e representação virtual, a vida concreta e as abstrações. E quanto mais enredados e envolvidos emocionalmente maior prazer e o interesse eles depositam no mundo virtual.

Vivendo um momento em que é necessário fazer sempre mais, saber sempre mais, estar  sempre acessível, conectada e ligada aos acontecimentos, essa geração vive na chamada “Era  da hiper-realidade”, um mundo em que a realidade física se mistura com a virtual e ambas vão  se completando, se integrando, se confundindo.

Quanto mais a tecnologia se expande e se populariza, mais gente  se envolve, se seduz, e mais mudanças ocorrem na vida dessas pessoas.

No mundo hiper-real, o indivíduo mergulha naquilo que se está vendo, participando, assistindo, passando de espectador para um participante que tem a sensação de estar dentro do mundo virtual. Assim, esquece sua realidade e vive a ilusão de pertencer a esse outro mundo.

Como a neurociência  e outras ciências afirmam que não é possível prestar atenção em duas coisas ao mesmo tempo, sendo educadora, me preocupo com a aprendizagem escolar de uma geração com essas características, com o seu desenvolvimento psíquico e, enfim como os estudantes acomodam todas as informações recebidas diariamente.

O cérebro sustentando sua atenção em uma coisa de cada vez, ao tentar realizar duas tarefas simultaneamente, as duas saem pela metade, ficam retidas superficialmente, pois o foco vai oscilar entre uma coisa e outra.

Trazer a tecnologia pra dentro da sala de aula, usar suas ferramentas para atrair a atenção dos estudantes, solicitar trabalhos usando algumas redes sociais é um caminho interessante e bastante viável.

Acredito também que devemos insistir em exercícios e ações que promovam o foco e a atenção na sala de aula visando melhores rendimentos.  A repetição ajuda, o contato físico traz consciência, o debate faz o assunto ser acompanhado para que as falas tenham conexão, o uso do corpo faz a informação ser sentida,  desafios concentram na busca de soluções, trabalhos em grupo trazem co-responsabilidades, o uso de jogos fixa os conteúdos, experiências práticas aguçam os sentidos, pedir explicações para os alunos traz protagonismo,  estabelecer regras claras e tempo para as tarefas organiza,  fazer perguntas dirigidas cobra concentração , reforçar diretrizes dá segurança.

Entre tantas possibilidades, resta a nós, educadores, arregaçarmos as mangas e lançarmo-nos com vontade em um novo e promissor ano letivo.

A Colunista

ROSÂNGELA SILVA, responsável pela coluna ‘Rota Educacional’é pedagoga, pós-graduada em Psicopedagogia e Metodologias da educação à distância. Atua há quase 30 anos na área da educação passando pela sala de aula, coordenação e direção. Realiza cursos e palestras e tem como hobby escrever crônicas e poesias (Blog Encucações educacionais e algo mais www.mrosangela.blogspot.com e Mulher na direção www.facebook.com/mulheresnadirecao/).

 

 

 

Share With: